Ruas de Julho

9 de julho

Pelas ruas de Julho

Existem dias de lâminas

E noites de mergulho

Tardes feitas de agulhas

Fagulhas cortantes de orvalho

Fina garoa de agasalho

Nas manhãs de névoa escura

Céus carrancudos a procura

De caminhos de poucos amigos

De marquises, calçadas e abrigo

Cães de ruas sob o sol frio

Em calçadas úmidas de vazio

Pelas ruas de Julho, Ipiranga e São João

Cinza chumbo em meu coração

Anúncios

1 comentário

  1. Ah, faz falta a Flor do Outono. Aprecio tua lírica sempre, mesmo a lúgubre. Mesmo a mais ferina. Mas seus jardins são inspiradores e Julho é frio como o olhar da mulher traída. Meu mês Sergio. Sei bem como é gélido, refratário à luz e à cor. É Julho. Sem as fogueiras juninas – já celebradas – garoa e carrancas. Ainda assim, muito bonito.

    Tuas últimas peças são um presente para quem, atordoado com os acontecimentos, procura uma luz, um ponto de apoio para compreender. Parabéns mais uma vez. E obrigada por elucidar o que para os mortais ao rés do chão nem sempre é perceptível.

    Bom fim de semana. SLP?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s