Um ano que se embaralha de canalha a canalha

Um ano sem temer

Oficina de Concertos Gerais e Poesia

vultos

De um setembro traidor a um agosto canalha,
um ano só de migalha.
No qual um coração valente em descompasso se atrapalha
na crença de que a justiça que hoje tarda, tarda, mas não falha.
A esperança e o fio da navalha,
na tarde cinza, minha criança grisalha.
A ilusão ensandecida dançando envolta em sua mortalha
é a amada enlouquecida que em seus braços me agasalha.
Na névoa descida sobre o campo de batalha,
vultos buscam o caminho de um futuro que lhes valha.
Um futuro que por ora se fechou em sua crisálida.
Tramando um setembro partido em um agosto que se cisalha,
um ano que se embaralha em um fio que se contorce
de canalha a canalha.

Ver o post original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s