Versos à procura de um poema

a procura

De repente, esse seu gesto inesperado,

algumas flores regadas de ironia,

e tudo que é sólido se desmancha no ar.

Atravessei a soleira do seu quarto

como atravessasse as fronteiras do meu país:

para ser estrangeiro em nossa cama.

Não cultivo falsas memórias,

apenas longos esquecimentos.

PS: por vezes, as musas brincam de esconde-esconde. Como uma menina ou uma amante sensual jogam comigo de mostrar e esconder.

Anúncios

2 comentários

  1. E quando se precisa de conserto, o Oficial ajeita com um concerto? Não importa muito onde, como, em que estado e se razoável, lúcida, ou não: serei sempre uma admiradora da tua pena Sergio. Me tornei redundante, inclusive em meus comentários. E curtir, aqui e por aí, já me soa como algo menor frente à grandeza que vejo em você e à admiração pela tua palavra. Então saiba, mesmo não estando aqui, estarei. E sem dúvida, teu verso, teu poema e tua musa, também. Sempre. Fronteiras? Felicidades querido! Que a Vida te entregue, todos os dias, um sorriso sem lágrimas e te cobre um único tributo: Ser.

    Fica com um bouquet. É só o que tenho, hoje, de realmente meu para te deixar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s