O tempo joga contra Temer

O governo Temer tem uma escala de tempo própria. Não houve e se acabou. E, quando busca invertê-la, o tempo joga contra ele.

temer-tempo

Leia os blogs da esquerda e leia os jornais da direita e lá está o inaudito consenso – Temer não existe. Sintoma disso é a tal “crise da direita” que nada mais é do que os grupos ajuntados no governo trocando trancos e empurrões cada um tentando encontrar um lugar nos poucos escaleres do Titanic.

O melhor historiador deste governo é o Senador Romero Jucá – o governo foi atentado para “estancar a sangria” e tornou-se uma “suruba”. As duas ideias-força que o descrevem à perfeição.

Na parte “suruba”, assim que assumiu o poder, Temer usou de um déficit de 154 bilhões de reais para a liberação de emendas parlamentares e de aumentos a funcionários federais dos três Poderes e – claro – da bolsa mídia. Modernidade do atraso, comprou até alguns youtubers. Tornou-se inconteste, aprovou de tudo no Congresso e nas primeiras páginas dos jornais.

Porém, não tem mais como repetir o feitiço sem espremer da PEC 55 a última gota de sangue das rubricas sociais. As recentes convulsões na segurança pública mostraram que seria uma temeridade – com trocadilho e tudo.

Na parte “estancar a sangria” teve menos sucesso. A Lava Jato, mesmo não sendo mais a tempestade em alto-mar que foi no governo petista, balança o governo de Temer o suficiente para os ratos começarem a abandonar o navio. O capitão está encharcado e sem as calças e os pilotos e timoneiros caíram doentes ou foram jogados ao mar.

Moraes e Serraglio, os dois salva-vidas atirados por Temer, talvez venham tarde demais, talvez não cheguem para todos.

O crescimento não virá antes de 2019-20 com uma nova presidência eleita. Nenhum empresário, nacional ou estrangeiro, irá investir com tamanha incerteza sobre a continuidade do governo. O desemprego continuará acima de 12% da população ativa.

A melhoria momentânea nas contas não engana ninguém. O chefe da casa deixou a família um mês sem jantar para aumentar o saldo médio no banco para tentar impressionar o gerente.

Como muito bem diagnosticado, Temer se mantém porque, ainda não entregou o prometido ao poder econômico – o desmonte do nosso incipiente estado de bem-estar social – patrões cobram o fim da CLT para transformar funcionários em “fornecedores de mão de obra” e financistas pavlovianamente salivam na gravata à espera de bilhões de reais em planos de previdência privada. Empresários e banqueiros ainda acreditam que Temer tem apoio no Congresso para fazê-lo.

Aqui começam as contradições do governo Temer.

No tempo político, faltam oito meses para 2018. A partir de outubro de 2017, serão as próximas eleições o principal fator a guiar as ações dos deputados e senadores.

Temer pode não estar preocupado com a seus baixíssimos índices de popularidade – 1,2% de avaliação ótimo e 26,5% de péssimo na última pesquisa CNT-MDA. Com 62,4% de desaprovação de seu governo e viés de piora, Temer não tem nenhuma condição de tentar a reeleição. Assim, a sua única perspectiva política é se aguentar no poder até 2018 e, então, encerrar a carreira. Será um João Figueiredo à paisana. Piorado – entrou e sairá pela porta dos fundos. Mais polido e pernóstico como uma mesóclise, mas tão medíocre quanto.

Temer pode não estar interessado nas próximas eleições das quais não participará, porém, deputados e dois terços dos senadores e os candidatos a candidatos a governador não pensam em outra coisa.

O tempo joga contra Temer.

Quem vai querer, às vésperas das eleições, bancar as reformas da previdência e trabalhista. Tirar dinheiro de viúvas e o direito dos trabalhadores se aposentarem. Transformá-los de funcionários com carteira assinada em terceirizados com vínculos trabalhistas precários. E, logo em seguida, pedir-lhes voto?

As defecções começam e as saudades de Lula crescem.

E o tempo joga contra Michel Temer.

PS1: até o Carnaval, que deveria ser um momento de diversionismo para o governo, tornou-se a celebração do “Fora Temer”.

PS2: A Oficina agora com filial no Facebook.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s