A mão da tragédia conduzindo a política brasileira

O que comove na morte de Teori Zavascki não é a morte em si. Homens morrem. O que comove na morte de Zavascki é a tragédia. Ou ainda, como a mão da tragédia molda a política brasileira.

tancredo-e-teori

A morte do ministro Teori Zavascki mudará a política brasileira. O Brasil seria um com ele à frente da relatoria da Lava Jato. Será outro, agora.

Teori Zavascki – juiz austero e experimentado era uma ilha de equilíbrio dentro do STF.

Os ministros do STF têm mostrado, em várias situações, facetas de suas personalidades que de modo algum tranquilizam a população. Alguns claramente partidários e boquirrotos, outros, extravagantes de várias formas ainda que formalmente enegrecidos em suas togas circunspectas. Outros ainda, simplesmente parecem frágeis demais ou influenciáveis demais para o cargo que ocupam.

Talvez o melhor elogio a Teori tenha vindo da boca de Romero Jucá: “um cara fechado”. Um dos “poucos caras ali”, no STF, com quem Jucá não mantinha relações de proximidade. Conhecendo minimamente Romero Juca, tal afirmação passa por atestado de idoneidade.

E de isenção, Teori não constava do grupo de “ministros” com os quais Jucá tramou o golpe para derrubar a presidente Dilma para “estancar a sangria da Lava Jato”.

Em relação à Lava Jato, o momento atual, quando se avalia as delações da Odebrecht que envolvem os verdadeiramente poderosos, entenda-se, os não-petistas, pede um magistrado experimentado em fazer frente ao poder.

Além de Zavascki, talvez somente Lewandowski tenha experimentado o que é isso. Quandoteori1 do julgamento do “mensalão”. Zavascki pagou o preço de ter feito com que o juiz Moro atentasse-se ao devido processo legal.

Teve a si e à sua família perseguidos por celerados. Devia tê-los mandado prender, não fez. Mas Manteve-se firme. Essa firmeza nos fará falta neste momento.

Porém, o que me comove é a tragédia. Como mais uma vez a tragédia molda a política brasileira. E vou buscar na memória outro momento crucial onde a tragédia moldou o Brasil.

A morte de Tancredo Neves. O Brasil não teria sido o que foi e talvez o que é se Tancredo tivesse governado. Dúvidas quanto a isso são difíceis de ter, basta lembrar que, com Tancredo vivo, não teríamos Sarney como presidente. Dúvidas quanto a outro Brasil que teríamos?

Agora a morte de Teori. Quem o substituirá na relatoria da Lava Jato? Um ministro indicado por Temer. Mas Temer é um dos implicados na Lava Jato. Temer escolherá seu próprio juiz. Um absurdo somado à tragédia tornando a ainda mais trágica.

Poderia se dizer que Joaquim Barbosa, indicado pelo PT, foi um juiz duríssimo contra o próprio PT. Mas não, aqui a ordem dos acontecimentos é tudo. Barbosa foi indicado antes para julgar depois. O juiz de Temer será indicado posteriormente a Temer ser envolvido na Lava Jato.

Alguém espera o republicanismo de Lula em Temer? Temer é tão republicano quanto FHC. Basta ver as indicações de FHC.

Que outro ministro atual do STF tem a têmpera de Zavascki para homologar as delações que envolvem alcunhas como “o Santo”, “o Careca” e o “Mineirinho”?

Uma nova política depende disso. Preocupações que me vêm à mente. A tragédia de Tancredo nos levou à tragédia de Sarney.

Uma nova política dependia de aonde nos levaria as indignações de 2013. Levou-nos ao golpe e a Temer.

A tragédia de Zavascki nos levará aonde?

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s