Aquela palavra que começa com a letra “C”

Precisamos falar das consequências que nos trouxe o desuso da palavra “canalha”.

palavras

Adultos atiram pedras em meninas vestidas de branco e os chamamos de homens de Deus.

Homens se riem de moças cegas e os chamamos de comandantes.

Um homem branco instrumentaliza o sofrimento de homens pretos e pardos em favor dos interesses de homens brancos como ele. Do que o chamamos? De secretário da redação.

Bandidos levam a julgamento uma mulher honesta por um crime inexistente e dizemos que suas excelências cumpriram todos os ritos legais. Dois dias depois, esses mesmos bandidos aprovam entre si que o crime de que acusaram a mulher não é mais crime, mas que a história não volta atrás nem a lei retroage para beneficiar. Damos-lhes razão.

Óbvio está que não sabemos mais do que falamos.

Corruptos notórios vão aos jornais mostrar sua indignação com a “roubalheira”, damos-lhes ouvidos e vamos às ruas defender a sua causa.

Com dois pesos para a mesma medida passamos a avaliar a honestidade dos nossos homens públicos. Um peso para os amigos outro para os inimigos. Tudo devidamente interpretado na letra da lei.

Pessoas pobres recebem assistência médica – isso é mau. Pessoas pobres são mortas a tiros – isso é bom. O risco da fome é afastado e a desigualdade diminui – irresponsabilidade administrativa. Cortam-se as verbas da saúde e da educação para garantir o pagamento dos juros – a economia do país volta a entrar nos eixos.

Nada mais faz sentido porque perdemos o sentido das palavras e com ele o sentido das coisas.

Não sabemos mais o que significa democracia, liberdade de expressão, presunção de inocência, direito de defesa ou Estado democrático de direito.

Foram, essas palavras, substituídas por conceitos vagos tais como “combate à corrupção”, “domínio do fato” e “desvio de finalidade”, quando não por oximoros éticos do quilate de “delação premiada”. Ou jocosos – “pedaladas”. Quem sabe o que cada um desses termos significa? Significam o que o poderoso de plantão disser-nos que deva significar. Aceitaremos. Queimaram-se nossos dicionários morais.

“Todo poder emana do povo”. Mas não sabemos mais o que significa a palavra povo.

Povo, toga, beca, farda ou pato amarelo, o que têm em comum? O que significa cada um desses termos? Não mais sabemos a diferença, tomamo-los por sinônimos.

E tenho por mim que esse estado de incoerência coletiva tem por início o momento em permitimos que a palavra “canalha” se tornasse, entre nós, um arcaísmo. Não o canalha em si, por certo, mas a palavra que o designava. Temerosos de ofendermos a honra dos que não a tem, não mais usamos a palavra “canalha”. Acabamos por desaprender o seu significado.

Não mais sabendo o que a palavra “canalha” significa, passamos a correr o risco de considerarmos canalha o estado natural das coisas.

E passamos, então, a mandar senhoras tomar no cu.

Anúncios

5 comentários

  1. O problema não é nem usar a palavra canalha muito menos o tomar em algo e sim saber ter caráter e assumir as coisas já que não existem inocentes nem dum lado nem doutro. A espada do “direito” (esquerdo) é clara, corta sempre onde as credenciais e o poder monetário falam mais alto. A grosso modo diria, quem pode pagar, recebe o perdão, quem não pode se f**e.
    Resta apenas aos que ainda pensam, procurar novos pastos já que a terra se contaminou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s