Rima de mina.

poetisa

Poetisa.

Chamar uma mulher de poeta soa-me como chamá-la de soldado Silva.

Por mais que seja correto, é coisa de homem.

Poeta é coisa de quem nasceu para ser gauche na vida.

Poetisa.

A linguagem sibilina

contida no som das suas rimas.

Sacerdotisa, profetisa, pitonisa.

Versos de mulher.

Sortilégio.

Oculto e secreto, sedução e encantamento.

Poetisa.

Uma mulher que verseja não há que ser mundana como um poeta.

O poeta é cavalo de musa.

Musa é mulher.

Logo, uma mulher que verseja é em si um pleonasmo poético.

O poema como um beijo lésbico metafórico.

Poetisa.

O verso encarnado.

Anúncios

1 comentário

  1. Bardo, creio que “A Poetisa” deve estar embevecida com tua rima. Eu também achei lindo, muito generoso e terno para com ela. Saber versejar sibilinamente é arte para poucas. E ela é dessas poucas.
    Longa vida à Poetisa e suas mãos que nos entregam tanto, tão liricamente.
    E longa vida ao Bardo, a suavizar nossa árida existência com sua pena.
    Lindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s