Brasil – muitas independências e a independência ainda esperada.

De nascimento renegado e juventude atribulada, o Brasil é como um problemático adulto que tem dificuldades de se assumir como tal.

A se considerar o que lemos nos livros de história, seríamos filhos das más condições climáticas para a navegação à vela.

Mas, não.

Somos fruto da cobiça e da esperteza de um rei pequeno e de um almirante sonso que fizeram crer ao mundo ter descoberto, no meio do Atlântico Sul, uma ilha de terras donde a vista alcança como uma ilha não pode ter.

Seríamos a terra da cruz. Realmente, crucificados nunca nos faltaram. Mas nos faltava ouro. E assim ficamos, por falta de interesse, como ilhados, por meio século.

Dois séculos e meio se passaram entre o dia em que piratas obrigaram o rei de Portugal a assumir nossa paternidade e o momento em que tornamo-nos um país.

Nossa independência, contudo, mantêm-se controversa.

Uns dizem sermos independente desde 1808, resultado das campanhas napoleônicas que levaram um rei fugido a fundar uma exótica monarquia europeia nas selvas da América do Sul.

Outros garantem que nossa independência é obra de Pedro, seu filho – o imperador apaixonado e devasso, mas de coração dividido pelo oceano.

Ainda aqui resta dúvida.

Tal feito teria se dado aos gritos, em 7 de setembro de 1822, às margens do Ypiranga, no planalto de Piratininga. Mas há os que pleiteiam que a independência se deu ao fim de uma curta guerra, em 2 de julho do ano seguinte, nas areias da Bahia de Todos os Santos.

E os que afirmam que a independência de fato só veio a ocorrer em 1831, em um 7 de abril, quando o nosso único rei guerreiro partiu para o esquecimento.

A, então, independência de brasileiros por brasileiros em uma proto-república instável e fratricida seguida de um golpe que restaura uma monarquia neta e imberbe que morrerá decrépita, 58 anos depois.

Houve tantas outras independências.

Da república positivista, mas sem amor e sem povo, de 1889 aos dias de hoje, mais de um século em que cada nova ditadura foi saldada como uma delas. E em que cada nova democratização continha um novo sonho independente.

Em um ciclo que tarda por terminar.

Porque, por fim, há ainda os que negam a independência e, por sebastianistas, esperam pelo salvador da Pátria.

Salvador, só a primeira capital. Somos de há muito uma nação independente.

Mas conscientes ou não de que o independente é alguém entregue à própria sorte, ao próprio engenho e à própria arte, refugamos nosso rito de passagem.

Hoje era para ser mais um deles, talvez ano que vem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s